Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Você está aqui: Página inicial
Início do conteúdo da página
Notícias

Inpa estuda manipulação de nutrientes do solo e debate a limitação nutricional da floresta

  • Última atualização em Quinta, 19 de Abril de 2018, 15h34
  • Acessos: 1060

A ideia da fertilização é testar experimentalmente a hipótese de que a carência de certos nutrientes acaba causando limitações nos ecossistemas da floresta

 

 

Por Karen Canto – Ascom Inpa

Foto:  Karen Canto e Acervo Afex - Inpa

 

 

Seis meses após os primeiros testes experimentais, pesquisadores do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa/MCTIC) e parceiros apresentam os resultados do projeto Amazon Fertilisation Experiment (Afex). O projeto é um estudo de manipulação de nutrientes do solo, em larga escala, para examinar como a disponibilidade de nutrientes afeta o ciclo de carbono em florestas tropicais.

 

Em um prazo relativamente curto, o experimento teve como principais respostas: aumento no fluxo dos nutrientes via serapilheira (camada superficial do solo de florestas formada por restos de folhas, galhos, frutos e demais partes vegetais em decomposição misturados a terra); aumento de produtividade do carbono (C) acima e abaixo do solo e, com a adição do fósforo (P), um aumento total da respiração do solo. Além disso, há sinais de que as plantas estão investindo menos em compostos de defesa anti-herbívoros.

 

 

EventoAFEXFotoKarenCantoINPA

 

A rede de pesquisadores do Afex inclui profissionais do Brasil, Panamá, Austrália e Reino Unido. Os testes consistem em adicionar nutrientes presentes naturalmente em baixa concentração na floresta. Entre os principais nutrientes adicionados à floresta está o fósforo (P), elemento escasso nos solos da região amazônica.

 

No Brasil, o projeto Afex é desenvolvido sob a coordenação do pesquisador do Inpa Carlos Alberto Quesada, no Laboratório de Biogeoquímica, apoiado pelo Programa de Grande Escala da Biosfera-Atmosfera na Amazônia (LBA), LBA e coorganizado pelo Projeto Dinâmica Biológica de Fragmentos Florestais (PDBFF) como apoio do pesquisador José Luís Camargo.

 

Também são parceiros as Universidades de Exeter e de Edimburgo, ambas no Reino Unido, e pelo lado brasileiro, além do Inpa, a Universidade de São Paulo (USP), Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

 

 

AFEX Acervo INPA

 

Outra característica com base no experimento é determinar se as limitações nutricionais podem interferir na estruturação da comunidade de invertebrados da serapilheira e nos processos biológicos mediados pela fauna.

 

A ideia da fertilização é baseada na hipótese de que a carência de certos nutrientes acaba causando limitações no ecossistema da floresta. O foco dos estudos consiste em pesquisar a ecologia do ecossistema, seu funcionamento e como os nutrientes interferem dentro dos mecanismos do funcionamento da floresta. A lógica do experimento é usar a adição de determinados nutrientes para entender o papel deles nos processos da ecologia do ecossistema.

 

“Como base nos estudos que vêm sendo realizados, constatamos que o fósforo (P), elemento muito escasso nos solos da região, acaba limitando o crescimento das árvores, o processo de fotossíntese, produção de folhas, raízes, interação com microrganismos e vários outros processos”, explica Quesada.

 

O pesquisador acrescenta que o experimento funciona como uma ferramenta para entender a limitação nutricional em vários parâmetros da floresta. “Como a gente sabe quais nutrientes estão faltando, trabalhamos em cima disso”, explica. “Se o fósforo estiver realmente limitando esses processos, ao ser introduzido mais deste nutriente, a árvore passará a crescer mais e o processo de fotossíntese aumentará”, acrescenta o pesquisador.

 

 

AFEX22 ACERVOINPA

 

Outro processo fundamental para entender o funcionamento do ecossistema é a emissão de dióxido de carbono (CO2) do solo e sua relação com o fósforo. Quesada afirma que com o fluxo de carbono respondendo aos nutrientes, em breve, será possível particionar o efeito da emissão de CO2 das raízes, microrganismos e micorrízas, o que permite entender melhor o efeito dos nutrientes nas plantas e nos microrganismos do solo.

 

Segundo o coordenador, o Afex é um experimento de longo prazo que funciona como um laboratório a céu aberto. “O objetivo é rodar o projeto por mais 10 ou 15 anos, no mínimo”, garante. Ainda conforme Quesada, a ideia é que o experimento possa permitir, não apenas as respostas do grupo de pesquisadores diretamente envolvidos, mas também as de toda comunidade do Inpa que tiver interesse em estudar limitações nutricionais na floresta.

 

registrado em:
Fim do conteúdo da página