Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Você está aqui: Página inicial
Início do conteúdo da página
Notícias

Represas andinas planejadas para Peru e Bolívia ameaçam ecossistema fluvial da Amazônia

  • Última atualização em Quinta, 18 de Abril de 2019, 11h00
  • Acessos: 871

SeminariosDaAmazoniaBruceForsbergFotoCimoneBarrosINPA

 

Assunto foi discutido na 1ª edição dos Seminários da Amazônia 2019. Evento científico acontecerá quinzenalmente às quintas-feiras, às 15h, no auditório da biblioteca do Inpa. Próximo será dia 25 de abril, com o pesquisador Charles Clement

 

 

Por Cimone Barros – Inpa

Fotos: Cimone Barros

 

Seis hidrelétricas planejadas para serem construídas nos maiores rios saindo das montanhas andinas no Peru e na Bolívia são consideradas a maior ameaça ao ecossistema fluvial amazônico. A conclusão é do cientista do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA/MCTIC), o biólogo com doutorado em ecologia Bruce Forsberg. O assunto foi debatido na estreia dos Seminários da Amazônia, que retornaram com nova roupagem após seis anos.

 

As montanhas andinas são fonte da maior parte de nutrientes e sedimentos que banham as várzeas dos rios da Amazônia, chegando até o final onde são depositados numa área chamada de delta, no final do rio Amazonas, desembocando no mar. Essas barragens novas ameaçam cortar esse fluxo.

 

Das seis hidrelétricas, quatro serão construídas no Peru (TAM 40, no Rio Ucayali; Pongo de Aguirre, no Rio Huallaga; Pongo de Manseriche, no Rio Maranon e Inambari, no Rio Inambari) e duas na Bolívia (Agosto Del Bala, no Rio Beni; e Rositas, no Rio Grande). Juntas devem produzir 10.000 megawatts e a maioria será construída em parceria com Brasil.

 

Represas AndinasINPA

Impactos

 

De acordo com Forsberg, os impactos ambientais dessas hidrelétricas serão muito maiores no Brasil do que no Peru e Bolívia. “Esses reservatórios vão barrar o fluxo dos sedimentos e nutrientes Andinos, que sustentam a produção pesqueira e agrícola das várzeas, que alimenta nossos ribeirinhos”, afirmou Forsberg, que é especialista em ecossistemas fluviais.

 

Além da redução de quase 70% no fluxo de sedimentos e nutrientes que abastecem os rios da região e o delta do rio Amazonas, o pulso de inundação (subida e descida do nível do rio) será diminuído, causando impacto sobre a flora das várzeas e sobre os peixes que dependem dessa flora para sua alimentação e reprodução.

 

Outro impacto importante é sobre o mercúrio nos rios, com contaminação prevista acima e abaixo das novas barragens, especialmente no peixe que será consumido pelas populações nessas regiões. O mercúrio é um metal tóxico e pode trazer problemas de saúde quando encontrado em concentrações muito altas no organismo, comprometendo o sistema neurológico, podendo causar tremores nas mãos e dificuldade motora, causando até a morte em casos extremos.

 

Metilmercúrio

 

Segundo Forsberg, o mercúrio está presente naturalmente nos rios da Amazônia, que tem solos ricos com esse metal, porém está presente principalmente na forma inorgânica, apresentando pouco risco para os seres humanos. O garimpo de ouro também contribui para o mercúrio nos rios, mas não é a fonte predominante.

 

O mercúrio só apresenta riscos à saúde humana quando é transformado na forma orgânica, Metilmercúrio. Isso aconteça nos reservatórios quando a floresta da terra firme é alagada e entra em decomposição, tirando o oxigênio da água e promovendo a transformação do mercúrio inorgânico em metilmercúrio. “Uma vez formado, o metilmercúrio acumula na cadeia alimentar, contaminando o peixe e o povo que come esse peixe. Esse impacto é sentido tanto no reservatório quanto no rio à jusante”, explicou o pesquisador.

 

Esse problema foi verificado no reservatório de Balbina, em Presidente Figueiredo-AM, fechado em 1988. Durante os primeiros dez anos, os níveis de mercúrio no tucunaré e nos cabelos de mulheres que consumiam esse peixe aumentaram muito. O nível em cabelos chegou a um valor considerado perigoso para mulher grávida ( 7,5 partes por milhão - ppm), depois começou a cair (5 ppm, hoje), mas ainda não voltou ao nível original . A Organização Mundial de Saúde (OMS) sugere um valor máximo de 6 ppm de mercúrio em cabelos das mulheres lactantes.

 

As usinas hidrelétricas também vão aumentar as emissões regionais de gases de efeito estufa (CO2 e metano), que são contabilizados pelo Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) e outras organizações globais.

 

SeminariosDaAmazoniaBruceForsberg1FotoCimoneBarrosINPA.png

 

Enfrentamento

 

Para enfrentar a situação, Forsberg sugere que os pesquisadores trabalhem em conjunto, de forma transdisciplinar, em colaborações transnacionais, envolvendo parceiros governamentais e não governamentais de todos os países envolvidos.

 

“Se queremos ter impacto, não adianta só fazermos nossas pesquisas, teses, artigos. Temos de levar essas informações para os governantes, para a sociedade, para criar consciência e ações efetivas sobre esses problemas”, disse Forsberg. “E vamos começar a falar sobre alternativas, outras matrizes, como a solar, que está com o custo por megawatt já quase chegando ao mesmo patamar do megawatt produzido por hidrelétrica”, ressaltou o pesquisador.

 

Segundo Forsberg, os projetos das hidrelétricas estão parados, especialmente por problemas de corrupção, mas a qualquer momento os governos e construtoras podem retomar os planos. O motivo é que os reservatórios estão previstos para serem construídos em “gargantas profundas”, em montanha com rio grande passando, que dá garantia de grande produção energética, porém com significativos impactos socioambientais que não foram levados em consideração.

 

Seminários

 

SeminariosDaAmazoniaAntoniaFrancoFotoCimoneBarrosINPA

 

Realizado de 1976 a 2013, os Seminários da Amazônia voltam com a proposta de discutir temas de ponta da pesquisa científica do mundo e da Amazônia, com temas provocativos e que estimulam a discussão e o aprendizado.

Agora o tradicional evento científico do Inpa acontece quinzenalmente às quintas-feiras, às 15h, no Auditório da Biblioteca, na Av. André Araújo, 2.936, Petrópolis, zona Sul de Manaus. É

gratuito e aberto à comunidade. A 2ª edição será no dia 25 de abril com o também palestrante da casa, o pesquisador Charles Clement, que falará sobre “Dez mil anos de domesticação da Amazônia”.

 

“Essa é uma excelente iniciativa. Aqui é uma casa de fazer ciência, com excelentes profissionais e linhas de pesquisa que são importantes não só na pesquisa básica, mas também ao mundo, aos ecossistemas, à vida, como foi tratado na palestra do Bruce”, destacou a diretora do Inpa, a pesquisadora Antonia Franco.

 

Promovido pela Coordenação de Extensão, os Seminários da Amazônia tem na liderança da Comissão Organizadora as pesquisadoras Rita Mesquita e Cristina Cox Fernandes. “Estamos muito felizes de resgatar os Seminários da Amazônia, um espaço de conversa e discussão com temas provocativos sobre a ciência, especialmente a que o Inpa faz. Isso é emocionante e um momento histórico”, destacou Mesquita.

 

Saiba Mais

Artigo científico publicado na Plos One sobre o mesmo assunto da palestra do Dr. Bruce Forsberg pode ser acessado clicando aqui.

registrado em:
Fim do conteúdo da página