istanbul escorts
Escort Bayan
istanbul escort
istanbul escort
Escort Bayan
sac tozu maltepe escort escort bayan kartal escort pendik escort maltepe escort
escort gebze escort nazilli escort escort bayan erdek escort escort bayan hatay escort edremit escort escort bayan pendik escort meram escort finike escort kemer escort lapseki escort milas escort
Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia - Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Você está aqui: Página inicial
Início do conteúdo da página
Notícias

Conferência no Inpa apresenta boas práticas de inovação no mercado e em instituições

  • Última atualização em Quarta, 19 de Junho de 2019, 18h10
  • Acessos: 447

2ºCongressoInternacionalProcessosInovativosWericaLimaInpa15

 

Organizada pelo Arranjo Amoci, com sede no Inpa, Conferência trouxe programação com especialistas nacionais e internacionais para estimular os processos inovativos na Amazônia

 

Por Cimone Barros - Inpa

Fotos: Cimone Barros, Wérica Lima e Victor Mamede

 

Compartilhar boas práticas de gestão da inovação, de proteção à propriedade intelectual, e da transferência de tecnologia e do empreendedorismo voltadas para a inovação. Este foi o foco da 2ª Conferência Internacional de Processos Inovativos da Amazônia- Interfaces entre ICT, empresários e investidores, que ocorreu no Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa/MCTIC). O evento foi organizado pelo Arranjo de Núcleos de Inovação Tecnológica (NIT) da Amazônia Ocidental (Arranjo Amoci/MCTIC), composto por 23 instituições da região Norte.

Uma das boas práticas refere-se à Inovação Frugal, que é a busca de soluções originais de baixo custo para problemas da sociedade, além de manter ou até melhorar o desempenho das funcionalidades originais da invenção ou da inovação de referência. No Brasil, um exemplo clássico é o tanquinho de lavar roupa, que chegou ao mercado custando cerca de 20% do valor da máquina de lavar.

De acordo com o professor André Santos, da Univali, que falou sobre o tema na Conferência, o novo produto manteve a função principal de agitar a roupa (“bater”) e tornou-se acessível a uma grande parcela da população com menor poder aquisitivo. Na esteira, o mercado lançou o “sabão de lavar roupas próprio para tanquinho”, no qual é possível reaproveitar várias vezes a mesma água com sabão.

Segundo Santos, no mundo, existem mais de 100 milhões de patentes. “Se for considerado que cada patente é fruto de um processo de inteligência, esforço e conhecimento, teríamos nisso 100 milhões de documentos que sintetizam esse esforço. Então, não temos como pensar em inovação sem pensar em explorar essa grande base de conhecimento”, destacou.

 

AndreSantos2ºConferenciaProcessosInovativosCimoneBarrosInpa13

 

O prazo de validade de uma patente de invenção é de 20 anos. Após este período, a invenção torna-se de domínio público e pode ser explorada de forma gratuita. Além disso, vários fatores podem fazer com que uma patente seja abandonada antes dos 20 anos. Na China, por exemplo, em média, 50% das patentes tornam-se de domínio público em até seis anos.

Como toda a patente exige o pagamento de taxas para manutenção do registro, o custo pode ser um fator limitante para manter a patente ou também registrá-la em outros países. “Se uma patente de outro país não for depositada no Brasil, é possível utilizar esta patente de forma gratuita em território nacional”, explicou Santos.

Atento às oportunidades, um grupo internacional do qual Santos faz parte desenvolveu uma ferramenta gratuita e de acesso livre, que permite explorar o conhecimento existente na base de patentes utilizando BigData. Com a ferramenta é possível, por exemplo, analisar relações entre campos tecnológicos, distribuições geográficas, redes de empresas e inventores, em um grande conjunto de patentes (por exemplo, 50 mil patentes sobre o mesmo tema), como parte do processo de inovação. O Patent2Net (http://patent2netv2.vlab4u.info/) é uma alternativa para os softwares pagos e caros ou aos gratuitos com acesso restrito.

Para operar o Patent2Net é necessário capacidade analítica dos pesquisadores e usuários. “Porém, essa não é a principal barreira. Nossos pesquisadores e empresários são muito ativos, criativos e inteligentes. A principal é a mudança cultural”, disse Santos. “A própria visão tradicional de pensar, inventar e proteger, que é um ciclo, causa a ideia de que patente é um produto no resultado, e não um produto para ser trabalhado como fonte de informação”, completou.

Socialização da Cultura de Inovação

 

NoeliaFalcao2ºCongressoInternacionalProcessosInovativosWericaLimaInpa43

 

Para a coordenadora do Amoci e de Extensão Tecnológica e Inovação do Inpa, Noelia Falcão, o evento atua numa lacuna da região, que é a disseminação da cultura e da prática da propriedade intelectual, da transferência de tecnologia e do empreendedorismo com foco na inovação. Atualmente o Inpa possui 73 tecnologias protegidas por direito de propriedade intelectual e 17 patentes concedidas.

“As tecnologias desenvolvidas nas ICT só se tornarão inovação, de fato, quando as empresas se interessarem por elas e as colocarem no mercado e essa tecnologia for aceita de fato pela sociedade. Foi isso que aconteceu com o água Box, o nosso purificador de água”, destacou.

Além de Falcão, participaram da mesa de abertura, o representante da Embaixada da Suíça no Brasil, Nils Hedberg Grimlund; a diretora do InpaAntonia Franco; o representante da Prefeitura de Manaus, Pablo Negreiros; a presidente do Fortec Nacional, Shiley Coutinho; e o representante do Inpi, Araken Alves de Lima. A solenidade contou com uma apresentação da Camerata de Ukulelê, resultado de um projeto de iniciação científica Junior, do Inpa, com o reaproveitamento o madeiras caídas da Amazônia.

“O Inpa e o Arranjo Amoci fazem um trabalho extraordinário para alavancar a inovação na Amazônia Ocidental”, ressaltou o coordenador-geral de Gestão de Agências da Subsecretaria de Unidades Vinculadas (SUV/MCTIC), Gustavo Zarif.

 

2ConferenciaProcessosInovativosUkuleleFotoCimoneBarros10

 

Leishmaniose

Mais de 20 palestras foram realizadas durante o evento, que ocorreu nos dias 06 e 07 de junho. Na Mesa-Redonda Propriedade Intelectual em Biotecnologia: Estratégias para inserção de produtos no mercado, a diretora do Inpa, a pesquisadora Antonia Franco, falou sobre os estudos que iniciaram em 2011 de prospecção de novas drogas e fármacos para o tratamento leishmaniose cutânea. A doença negligenciada infecciosa, não contagiosa, provoca úlceras na pele e pode acometer também mucosas, e ocorre no Brasil e em várias partes do mundo.

O tratamento convencional é realizado com o antimonial pentavalente, sendo este administrado por injeção intravenosa ou intramuscular de Glucantime®. Como é extenso e doloroso, o tratamento muitas vezes é abandonado por parte dos pacientes.

No momento, há cinco produtos que envolvem patentes no Brasil e no exterior. São duas patentes depositadas em material inorgânico (uma na Ucrânia e outra no Brasil), e três depósitos de patente. Dessas, duas são inorgânicas (uma na Ucrânia e outra no Brasil), e outro depósito de patente de material orgânico (formulação tópica com produtos naturais) no Brasil, que é uma microemulsão de uso tópico com ótimos resultados nos estudos com roedores.

Até agora são mais de 60 amostras que já foram analisadas visando desenvolver novos produtos e formulações para aplicação tópica e com custo bem abaixo do tradicional. Enquanto o tratamento com Glucantime® custa cerca de 100 dólares por paciente, com a microemulsão com produtos derivados do jucá (tipo um creme) custaria 20 dólares, segundo as estimativas da pesquisadora.

 

2ºConferenciaProcessosInovativosCimoneBarrosInpa 26

 

O grupo de Franco solicitou o pedido de patente da formulação contendo os produtos do jucá para medicamentos do tipo fitoterápicos, mas atualmente estão investindo no isolamento de substâncias, porque se conseguirem isolar a substância que tem essa atividade a partir dessa fração com bons resultados terão a possibilidade de ter uma semisíntese ou uma síntese. “Isso seria bom, pois reduziria até a exploração da planta e frutos, e poderíamos fazer isso em nível laboratorial”, contou a pesquisadora.

Também compuseram a Mesa-Redonda falando sobre suas pesquisas e experiências, Camilo Sobrinho (Universidade da Califormia), Alexandre Vasconcelos (INPI) e Luiz Renato de França (Ex-diretor do Inpa e professor aposentado da UMG). A mesa foi mediada por Shirley Coutinho (Presidente do Fortec Nacional).

registrado em:
Fim do conteúdo da página
escort bayan maltepe escort pendik escort kartal escort
sac tozu maltepe escort escort bayan kartal escort pendik escort maltepe escort
canlı tv
canlı tv izle canlı tv canlı tv amigurumi amigurumi
fapjunk.com
ankara escort
antalya escort