Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Você está aqui: Página inicial > Últimas Notícias > Nova espécie de peixe elétrico descoberto na Amazônia emite maior descarga entre animais
Início do conteúdo da página
Notícias

Nova espécie de peixe elétrico descoberto na Amazônia emite maior descarga entre animais

  • Publicado: Terça, 01 de Outubro de 2019, 09h37
  • Última atualização em Terça, 01 de Outubro de 2019, 15h03

Da Redação – Inpa e Fapesp

Fotos: Raphäel Covain, Leonardo Sousa e Douglas Bastos

Por quase dois séculos e meio acreditou-se existir apenas uma espécie de poraquê, Electrophorus electricus, mas uma nova pesquisa revelou que há pelo menos três espécies distintas na Amazônia. Como novidade, uma das duas novas espécies, Electrophorus voltai, emite a maior descarga elétrica do reino animal, chegando a 860 volts e superando o recorde anterior de 650 volts do E. electricus. O estudo foi publicado na revista Nature Communicationscontou com contribuição de pesquisadores do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa/MCTIC).

Os peixes elétricos integram um grupo de 256 espécies que produzem naturalmente a eletricidade e a utilizam para se comunicar, orientar-se durante a locomoção e para detectar presas e predadores. Conhecido por ser o único desses peixes com potencial de produzir altas descargas elétricas para defesa e caça, o poraquê pode alcançar mais de dois metros de comprimento e 20 quilos. É típico da região amazônica e foi considerado por muito tempo como uma única espécie, amplamente distribuída por diversos tipos de ambientes aquáticos.

1B Carlos David de Santana Electrophorus electricus Wonotobo 9 Picture by R. Covain 1

 

“Por ser um peixe muito característico, ninguém nunca havia prestado atenção para verificar se de fato era uma única espécie, ou se haviam outras envolvidas”, conta o pesquisador do Inpa especialista em peixes amazônicos, Jansen Zuanon.

A definição das espécies foi feita a partir de um grande conjunto de dados incluindo DNA, morfologia externa, detalhes do esqueleto e distribuição geográfica dos animais, que resultaram na identificação de três linhagens principais que se diferenciaram nos períodos Mioceno e Plioceno (entre 3 e 7 milhões de anos atrás).

O primeiro autor do artigo é o brasileiro Carlos David Santana, pesquisador associado do Museu Nacional de História Natural do Instituto Smithsonian (EUA). Do Inpa, além de Jansen, também assinam o trabalho o técnico Renildo de Oliveira e o estudante de doutorado Douglas Bastos.

Para Bastos, estudos como esses são importantes para mostrar que se conhece muito pouco sobre a diversidade e biologia de peixes amazônicos. Ele lembra que mesmo uma espécie tão comum e fácil identificação, como o poraquê, ficou 250 anos “escondida”. Os poraquês que estão no Bosque da Ciência, área de visitação pública do Inpa, e à vista de todo mundo, por exemplo, pertencem à espécie nova E. varii.

“Isso é um sinal que temos muito trabalho pela frente, tanto na descoberta de novas espécies de peixes elétricos, como no entendimento de aspectos biológicos e comportamentais dos peixes elétricos”, disse Bastos, que é engenheiro de pesca, com doutorado em andamento sobre a História Natural do Poraquê, no Programa de Pós-Graduação em Biologia de Água Doce e Pesca Interior do Inpa.

Electrophorus voltai

Presente em rios que geralmente drenam o escudo brasileiro (nos estados do Pará, Amazonas e Amapá), essa espécie de poraquê habita uma região caracterizada por altitude acima dos 300 metros, cercada de córregos, cachoeiras e rios com substratos rochosos de águas claras e bem oxigenadas.

Electrophorus voltai produz a maior descarga elétrica conhecida entre os animais, com 860 volts. Por viver em sistemas aquáticos com pouca quantidade de sais dissolvidos e baixa condutividade elétrica, os pesquisadores supõem que essa forte descarga seja uma adaptação para conseguir atordoar suas presas nesse tipo de ambiente.

O nome da espécie é uma homenagem ao físico italiano Alessandro Volta, que inventou a bateria elétrica em 1799, baseando seu design no poraquê.

 

2A Carlos David de Santana Electrophorus voltai Xingu River 4 Picture by L. Sousa 1

 

Electrophorus varii

Diferentemente da espécie anterior, Electophorus varii ocorre em grande parte das terras baixas, tanto nas várzeas de grandes rios de águas barrentas quanto em igarapés de terra firme da Bacia Amazônica. Esta espécie recebeu o nome do zoólogo Richard P. Vari, pesquisador do Smithsonian e parceiro de trabalho de pesquisadores do Inpa, que faleceu em 2016. Electrophorus varii é a espécie com a descarga elétrica mais fraca entre as três espécies de poraquês, variando de 151 a 572 volts.

3B Carlos David de Santana Electrophorus varii Rio Negro 1 Picture by D. Bastos

 

Electrophorus electricus

Descrito em 1766 pelo naturalista sueco Carl Linnaeus, o poraquê Electrophorus electricus habita rios e riachos da porção norte da Amazônia, numa região conhecida como Escudo das Guianas, abrangendo três estados brasileiros (Amapá, Amazonas e Roraima) e Guiana, Guiana Francesa e Suriname.

 

Alta descarga

Em uma entrevista para a Agência Fapesp, o pesquisador do National Museumof Natural History da Smithsonian Institution, Carlos David de Santana, explica que a descarga é de alta tensão, mas a amperagem é baixa, aproximadamente um ampere, não sendo necessariamente perigosa a humanos se comparada ao choque de uma tomada elétrica com 20 amperes. “O choque atordoa a vítima. É suficientemente forte para ajudar os peixes a capturar presas ou assustar um predador”, disse Santana.

Os poraquês emitem corrente em pulsos, esgotando a sua energia após algumas descargas e levando algum tempo para recarregar. Antes do artigo publicado, achava-se que a espécie tinha hábitos solitários, mas foi verificado que em caso de ameaça eles podem se juntar em grupos caso se sintam ameaçados ou queiram capturar presas.

O poraquê sempre foi muito popular na comunidade científica, justamente pela sua capacidade de gerar energia elétrica. “O conceito de eletricidade surgiu em função desses organismos e o poraquê teve um papel histórico muito importante para descoberta de eletricidade”, conta Zuanon. O estudo da capacidade do poraquê de gerar energia elétrica inspirou o físico italiano Alessandro Volta a desenvolver a primeira bateria elétrica (pilha), e as descobertas feitas a partir dos estudos da fisiologia desse peixe resultaram na descoberta de uma fonte de uma substância chamada acetilcolinesterase, que tem sido usada para tratar doenças neurodegenerativas.

Novidade na classificação de espécies

As descobertas de novas espécies no mundo científico partem da análise de características físicas (morfologia), genéticas e ecológicas. Nunca antes havia sido usado como principal critério na classificação de espécies a voltagem. “Usamos a tensão como o principal critério de diferenciação. Isso nunca antes foi feito antes para identificar uma nova espécie", disse Menezes em entrevista para a Agência Fapesp.

 

Ilustração Os poraquês

registrado em:
Fim do conteúdo da página